quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Dora e Seus Irmãos: Os SuperBebês!


Quarta-feira, 09 de outubro de 2013.

Noutro dia eu comentei, brincando com a Mamãe, que não havia a mínima concorrência para a Super-Filha em termos de beleza e graça, não encontrando ninguém que pudesse com ela competir na família, no colégio ou mesmo no condomínio - coisa de pai babão! Mas o engraçado mesmo foi ela ter-me confirmado que algumas senhoras do condomínio já lhe disseram o mesmo sobre minha pequenina imbatível: Só entre nós, mas a tua menina, mesmo com o monte de crianças que já surgiu por aqui, ainda é a mais linda mesmo, atestou uma igualmente cheia mãe sorridente... Logicamente que em momentos como esse o orgulho e a alegria em ter uma menina tão encantadora sobem à estratosfera - ainda mais em lembrar que alguma coisa minha ainda agrada, uma vez que minha filha é a minha cara melhorada em forma feminina...

Mas o que agora mais me vem à cabeça ultimamente é como este adorável rostinho lindo desta meiga menininha sorridente e cheia de vida há quase exatos 4 anos não passava de um "grãozinho de arroz" com um coração batendo e retumbando lágrimas em mim e na minha esposa na primeira ultrassonografia... E o que dizer de antes disso? Ela nem sequer existia, não passando de um sonho de desejo para "quando as coisas se ajeitassem mais"... E naquela época havia mesmo muita coisa pra arrumar (hoje ainda tem: e como)! E como vivíamos antes sem ela? Agora ela está aí, crescendo e encantando, inventando, dançando... Tudo como se o mundo fosse dela desde sempre!

E minha filha surge, do nada, há poucas semanas, a me fazer a seguinte pergunta durante o seu almoço: Pai, e cadê a minha irmãzinha...? Lógico que fiquei sem ação, de colherzinha na mão cheia de brócolis, carninha, arroz, purê de jerimum e batata (Não qué batata!) - de onde esse menina tirou isso, assim? Bom, o meu sonho sempre foi ter três filhos, mas em casa sempre pensamos em ter somente dois, um casalzinho; até fizemos planos, mas abandonamos por um tempo... E agora essa pontual inquisição, o que dizer? Não sei, Filha: depois você pergunta para a Mamãe... saí-me triunfante, postergando a batata quente infantil para a outra jogadora do time! Mas, pensando bem... Preta, meu bem: qual é mesmo a data do teu período, hein? "Não, que é isso", "ainda está no prazo", "pode atrasar", várias foram as explicações... Mas nunca atrasara antes! Por fim, testezinho da farmácia à mão, não restava mais dúvida: tínhamos um oráculo-mirim dentro de casa!

E então minha mulher me aparece com um barrigão maior do que antes, cansaços e enjoos logo de cara... Mas não foi assim antes! Então é menino... logo vaticinaram as amigas e cunhadas cheias de expectativa, enquanto a Mamãe acreditava ser por causa da facilidade do corpo numa segunda gravidez. Enquanto ainda não tínhamos uma resposta precisa para o que acontecia, minha mãe, curiosa como boa sogra, perguntou-lhe:

- Na tua família não tem nenhum caso de gêmeos, minha filha?

Sim, tínhamos um segundo oráculo na família, só que na outra extremidade etária (não posso nem brincar que seria um caso de "oráculo da terceira idade", senão a Vovó-Dinha me mata!) - e, curiosidades totalmente descartadas à parte (Nossa, claro que não: meu Deus... Que eu me lembre, primo da minha mãe, distante... Não tem como... Isso é mais pra quem faz tratamento de fertilização), chegamos a esta última segunda-feira, na hora da primeira ultrassonografia pela segunda vez, ocasião em que a médica nos deu a notícia do ano:

- São gêmeos, parabéns! Suspeitei na hora, pelo tamanho da barriga, quando você entrou no consultório... E olha, eles estão confortáveis, cada um na sua placenta: pode ser um menino e uma menina, porque não serão idênticos, univitelinos...

Coração disparado, lágrimas aos borbotões, perguntas intermináveis para a médica (Calma, eu vou falando aos poucos... A ansiedade passa para os outros, sabe, e eu preciso me concentrar aqui...) e acompanhamento de todo o resto do exame em pé aos pulinhos e em desconjuntados e impacientes passos pra lá e pra cá poderiam descrever um pouquinho do que eu senti e vivi naquele momento, enquanto a Mamãe se contorcia na cama para o melhor "ângulo", coitadinha. Mas ali estavam eles, os dois, bem visíveis nas imagens primitivas e em preto e branco, com seus corações coloridos e pulsantes, agora maiorezinhos do que da primeira vez, já com dois centímetros... Meu coração pulsando junto, eu simplesmente não conseguindo acreditar ser merecedor de que Deus poderia realizar um sonho meu já quase esquecido...

Assim que soube, a Filha não ligou muito para o endosso de que, sim, havia mesmo uma irmãzinha (ou um irmãozinho...) na barriga da sua mãe, mas que agora, na verdade, eram dois - não ligou ou "fingiu" não ligar, ela que tem andado meio carente e ciumenta a mais do que de costume, como que sentindo tudo cedo demais... Mas aqui e acolá ela ainda pergunta da irmãzinha! Sem dúvida, ela sabe bem mais do que todos nós, porque eu creio mesmo que Deus sopra nos ouvidinhos dessas angelicais criaturinhas, sempre a nos ensinar! E eu, humildemente, só tenho a agradecer e aprender... E aguardar, pelo menos, uma menina!

Eu sei, eu sei, queridas Tia Wandeca e Tia Ligiota, o quão ansiosas vocês, fieis leitoras deste espaço, estavam por esta postagem antes, porém só agora eu pude erguer os pensamentos novamente, tão misturados numa felicidade orbital sem limites em que ainda me encontro imerso! Sim, eu, enfim, pensei na realidade do tanto que eu terei que fazer ainda para recebê-los - Vai ter que trabalhar em dobro, Papai..., brincava, ao final, a médica ansiosinha -, no dobro que a minha vida, bem como a da Mamãe (e também da Super-Filha), terá que pular até esses menininhos estarem por aqui a chorar junto a mim... Mas, vejam, eu, como bom viajante dos Quadrinhos e das Estrelas, e sabendo que a minha garotinha já me herdou com tantos superpoderes inimagináveis e, de quebra, em muito se parece com a Dora dos desenhos infantis, estou certo de que vêm por aí os Super-Bebês! E, de preferência, um casalzinho, tal como os irmãozinhos da personagem na animação!

E, sendo assim, agora é preparar tudo o que sequer se previa para o futuro bem próximo: saúde, dinheiro, fraldas, tempo, disposição, casa nova (Quartos novos, hein? Nada de "adaptar" meu pobre escritorinho neste apartamento apertado!), carro novo, móveis novos com tudo em dobro? Meus vindouros filhos, já cheios da minha felicidade em viver para tê-los e ser de vocês o seu melhor amigo (junto à Super-Filha e à Mamãe), sejam bons super-heroizinhos e me ajudem, por favor: Super-Gêmeos, ativar!

Seguidores

 

Diários do Papai Copyright 2008 All Rights Reserved Baby Blog Designed by Ipiet | All Image Presented by Tadpole's Notez